Ontem à noite

Ontem à noite vi-te no WC
Estavas com diarreia, sem clister...
Para lá do fedor só brize primaveril®,
Com o seu perfume, incapaz de purificar o ar.
Percorri o armário dos desinfetantes enquanto
Te acabavas de limpar.
Queria que tivesses cagado num WC só teu
Onde a distância evitasse este odor a podre.

Ontem à noite prometi a mim mesmo,
Que nunca mais te faço uma feijoada
Com couves e enchidos, a cheirar a gordura...
Agarra-te ao soja, que eu cozo a posta!

Ontem à noite o WC deixou de ser só meu!
Tive de o limpar como a uma fossa
Fui um engenheiro sanitário imerso em bosta!

Ontem à noite foi a noite em que abolimos os farináceos!

Comentários

alphatocopherol disse…
O que seria este site sem validade literária na ausência de criativos plágios!
Chas. disse…
onde já vi um poema parecido?! mas menos ordinário...
R.B. NorTør disse…
LOL

Vale a pena ver que as criações de um lado encontram o seu alter ego neste antro de badalhoquices!!!

:)

Mensagens populares deste blogue

Super Homo - parte o 1º

Super Homo - Apre!

Acordar precoce e naturalmente...