O Abilhador

A campainha tocava com grande frenesim às seis e meia da manhã. O sol mal tinha nascido e já os galos fornicavam no galinheiro ensurdecendo de prazer toda a vizinhança. Os lençóis molhados e manchados de um odor reconhecível provavam a incontinência ejaculatória.

Zé, o Dobrador de Bilhas, levantou-se da cama ainda a cambalear do seu último copo de vinho maduro e dirigiu-se até à janela. Afastou os cortinados rotos e manchados, e olhou para baixo, para a rua, onde estava estacionada uma carrinha da CavalGalp, uma empresa de gás metano, proveniente de cavalos.

“Fodasse pós tipos do gás, óhh caralho... nem me deixam acabar o sono” pensou ele enquanto se dirigia para a entrada abrindo a porta com alguma fúria.

- Porra! São horas... - gritou ele incompletamente até ter focado a pessoa que estava à sua porta – Olá, muito bom dia... - o seu rosto coloriu-se de um rosado envergonhado.
- Bom dia, Sr. Zé?! Cabe a mim daqui a diante entregar as garrafas de metano. Espero não o ter vindo acordar?!
- Acordar... claro que não... Sou um homem madrugador, acordo antes dos galos começarem a fornicar... a cantar. - respondeu ele, reparando na mancha que tinha nas calças de pijama, escondendo-a com a palma da mão.
- Onde deseja que coloque a Pónei?

“Pode colocar aqui junto do meu Garanhão...” pensou ele quando se apercebeu da imensidão de curvas...

- Ali ao fundo, junto das outras... - respondeu.
Ficou estático ao vê-la passar. As curvas eram perfeitas. Desejando que ela o aquecesse como as outras.
- Quer que a monte?

- Ficaria muito agradecido se montasse - respondeu ele.
- Nem vai notar diferença, é como as outras, dura e dura...
- Ainda bem, gosto de ser bem servido. Não gosto de deixar nada a arrefecer – continuou o Zé.
- Sendo assim penso que se irá adaptar bem. A Pónei é mais pequena que o Garanhão mas dá o mesmo gás.
- Eu gosto é que elas dêem gás... - murmurou ele.

Depois do serviço, a menina bonita da bilha despediu-se com um sorriso no rosto. A sua mini saia junto ao contorno da nádega e o seu peito eram dignos de uma obra de arte futurista. O Zé já não conseguia suportar o mastro, que se perpendiculava com entusiasmo divino...

- Até á próxima Sr. Zé - disse a moça envergonhada ao se aperceber da mão dele por dentro das calças do pijama.
- Até a próxima menina... Espero por si para montar a próxima - despediu-se ele com um sorriso erótico.

E assim a menina do gás chegou à aldeia do Zé.

Comentários

E eu tive na terra dessa grande regueifa polaca cujo nickname é PLUMA.
Já dizia o italiano:DDDDAAAAIIIIIII
Captain Dildough disse…
O que estas miúdas têm de suportar... não há bilha que aguente, por mais recauchutada que seja!

Excelente texto, as insinuações estão demais... *fap* *fap* *fap*
alphatocopherol disse…
LOL, mas que grande ejaculestoria

Mensagens populares deste blogue

Super Homo - parte o 1º

Super Homo - Apre!

Acordar precoce e naturalmente...