Diário de Um Homem Porco - Bocejo

É de manhã. Descubro-o pelo raio de sol que me entra pelos estores mal
corridos e me bate na cara. Dou mais umas voltas na cama, debaixo do
edredão encardido, mas não tarda que me levante, os lençóis colados à minha
epiderme pegajosa de suor e sebo.
Sento-me na beira da cama, coçando a tomatada. Em seguida esboço o gesto
de levar o dedo ao nariz, mas o odor a colhão acorda-me do meu torpor
sonâmbulo. E ponho-me a pensar. "Foda-se, preciso mesmo de um banho." Dou
um estalo a mim mesmo por ter tais pensamentos e arrasto-me para a casa de
banho. Pelo caminho esbarro em garrafas de cerveja e pacotes de batata
frita vazios, as migalhas gordurosas colando-se às solas dos meus pés.
Mal ligo à carpete encrostada de manchas de uma noite de excessos com a
minha querida Lily, companheira das horas tristes. Ali jaz ela, a um
canto, meio esvaziada. A sua boca sempre aberta para um conforto que mais
nenhuma mulher pode - nem quer - dar.
Acendo a luz e sento-me na retrete. De vez em quando pergunto-me o porquê
de ainda continuar aquele ritual, mas o alívio que sinto quando expulso
aquela massa nauseabunda para longe do meu interior mucoso é resposta
suficiente.
Puxo o autoclismo mais por reflexo que por consciência. Irritado,
compreendo que os tiques que trago da minha vida anterior me vão
acompanhar por algum tempo mais.
Decidi pactuar com a podridão. Durante a maior parte da minha vida a
arrumação e a higiene foram os faróis que me guiaram, os ideais pelos
quais devotei o meu tempo e o meu trabalho.
Mas desde que surgiu aquela directiva comunitária, proposta pelos Verdes,
sobre a qual todo e qualquer controlo sanitário seria abolido, a minha
especialização tornou-se redundante. Isto porque viviamos numa sociedade
cada vez mais asséptica, mais desinfectada, mais contra-natura. As
elevadas taxas de asma alérgica e doenças auto-imunes começavam a falar por si.
"-Eu quero que sa' fodam, caralho!" e começo a chorar. Como é possível uma carreira tão promissora, tão cheia de potencial, vir abaixo desta maneira?
Maldito o dia em que fui pra Técnico de Segurança Alimentar!

Comentários

Anónimo disse…
Bem-vindo à porcolandia.
Muito porco mas puberdadesco...

Eheheh...
"Sento-me na beira da cama, coçando a tomatada. Em seguida esboço o gesto
de levar o dedo ao nariz, mas o odor a colhão acorda-me do meu torpor
sonâmbulo."

Estava à tanto tempo que o esperma apodreceu, tens que ter cuidado com a data de validade senão estragas a boneca. Técnico incompetente
Anónimo disse…
Poxa, a casa dele estava porca, mas mesmo assim não está pior que a boca do Sergay! Não abras muito a boca ao bocejar, que ainda entra nabo!!
alphatocopherol disse…
Isto de ve ser dedicado ao luís para aí!
Anónimo disse…
Deve ser dedicado a um qq badalhoco de TSA, como a frase final deixa bem explicito...

Este texto revela o famoso efeito "Casa de paneleiro, espeta-lhe com o pau!!!"
psic-lógica disse…
a principio fikei sem palavras por tao bela maneira de escrever que, sem duvida é contagiante.. a forma como descreves tudo o que vês..demais..
mas.. pergunto me.. isso é sempre assim?!se é..como consegues?!
eu nao suporto ter as coias desarrumadas,gosto d tudo no sitio, n tendo nada contra kem n é assim, daí o fascinio pelo k escrevest, mto bem descrito
;)
Anónimo disse…
Eu sou Rolinda e sou a porquinha mas linda da porcolandia
Anónimo disse…
Lelê, te amo muito de Rolinda e sua familia PORCO. Xandy vc. e 10 tb.
Se a vida fosse uma novela vc. seria meu capitulo especial Lê.
Te amo

Mensagens populares deste blogue

Super Homo - parte o 1º

Super Homo - Apre!

Acordar precoce e naturalmente...