Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2013

Vitânus :: Capitulo 1 :: Chegada ao Cais no Sonhé

Quinze horas e trinta e seis minutos. Um Volvo da série Vasco da Gama articulando alguns quilómetros de longas experimentações entre Ode às Velas e Cais no Sonhé transporta o seu mais sábio passageiro: Vitânus, mais conhecido pela sua passada de Pinguim Imperador e fixação por transportes colectivos, pintos variados e piadas secas. É um metaleiro humilde, no auge das suas vinte e três primaveras, oitenta quilogramas enchouriçadas em calças elásticas, caracóis pretos, fortes e volumosos, e um olhar expressivo - por vezes esbugalhado - cor de melaço. Numa travagem brusca, junto ao Bar Amaricado, Vitânus é arremessado pelo corredor e após três cambalhotas atinge a cabine do motorista - e o dedo mindinho o antigo obliterador! Aparentemente uma rusga policial, três pegas e um taberneiro sem calças numa fuga sem cobertura dão resguardo às justificações hidráulicas do senhor da Magnum 44.  O acrobata lesionado, com uma tarifa de bordo extra, levanta-se e começa o seu canto imperial: "

Uma nova estrela do NATCIAL (uma espécie nova de Natal Comercial)

Era uma jovem bela e imaculada... Cantava em belos filmes infanto-juvenis, Encantava qualquer inocente petiz, Longe de qualquer ideia depravada. Ai quem a mandou "crescer"... Tadinha, acabou por se perder. Era uma gordinha anafada... Esbelta para o género animal, Ainda sem sonhar com a fama comercial, Mascote de doçura desmesurada. Ai quem a mandou vestir-se assim... InCONTINENTE a querer mais pilim! FUSÃAAAAAAAAOOOOOOOOOO!!!!!! (CABUM....) 23h Amesterdão... Um hipópotamo (?!) passeia numa passerelle... mala channel na mão perante o ohar chocado de milhares de crianças digitalizadas pela brigada da nova empresa MTinCOnTinenteV Lda... No seu corpo uma espécie de maillot repuxando-lhe a fatia entremeada da pachachótama ( Hippos Montana , .sp) e com um ar esgazeado qual prustiputa do reino animal, saca de um enorme charro de folhas de uma qualquer árvore não identificada (causando a loucura especulativa do Correio do Chavascal, ou do Púdico) e acende! Uma chuva d