Mensagens

A mostrar mensagens de 2005

E assim se passou uma bela semana... e não foi no Gingão!

DIA 0

Dez horas em ponto num dia como todos os outros em Lisboa: arrancou o autocarro que levava o último guerreiro até à aventura pela montanha mirandesa e selva gerense...A ansiedade ia aumentando à medida que o autocarro ia fugindo da capital deste país que é Portugal, e que mais parece capital de Angola. (Ou será Cabo Verde? Ou China? Ou Roménia?) Bem...não interessa!... O que naquela altura interessava mesmo era “fugir”!...Segundo consta, por aquelas horas em Penamacor, ia-se respirando um novo ar de esperança!...Chegado ao destino (leia-se Guarda), passadas 2h30, o nosso expresso-viajante foi acolhido pelos cinco bravos alcatenses ou penamacorenses (que de enconenses não têm nada) e, desde logo, foram abertas as hostilidades com o célebre gesto do dedo indicador numa posição horizontal direccionada para o individuo à frente que, num ápice, passa para a direcção do fecho das calças do próprio. Ah, e eles foram mencionados!...Completo que estava o pelotão, foi tudo saciar-se num re…

Diário de Um Homem Porco - Bocejo

É de manhã. Descubro-o pelo raio de sol que me entra pelos estores mal
corridos e me bate na cara. Dou mais umas voltas na cama, debaixo do
edredão encardido, mas não tarda que me levante, os lençóis colados à minha
epiderme pegajosa de suor e sebo.
Sento-me na beira da cama, coçando a tomatada. Em seguida esboço o gesto
de levar o dedo ao nariz, mas o odor a colhão acorda-me do meu torpor
sonâmbulo. E ponho-me a pensar. "Foda-se, preciso mesmo de um banho." Dou
um estalo a mim mesmo por ter tais pensamentos e arrasto-me para a casa de
banho. Pelo caminho esbarro em garrafas de cerveja e pacotes de batata
frita vazios, as migalhas gordurosas colando-se às solas dos meus pés.
Mal ligo à carpete encrostada de manchas de uma noite de excessos com a
minha querida Lily, companheira das horas tristes. Ali jaz ela, a um
canto, meio esvaziada. A sua boca sempre aberta para um conforto que mais
nenhuma mulher pode - nem quer - dar.
Acendo a luz e sento-me na retrete. De ve…

O salteador dos tomates perdidos - Episódio I I I - A Maquete

Yagres ensaiou todo dia demonstrando o encaixe perfeito de sua voz na sonoridade banda, pelo que daquele ensaio saíria a primeira maquete com ele como vocalista.

Durante o intervalo os elementos masculinos ensinaram a Yagres o ritual que faziam ao mesmo tempo enquanto bebiam uns shots, a masturbação sincronizada. Ao inicio parecia um ritual abichanado, que o fez ter algum receio das consequência comportamentais dos seus colegas, mas no final todo o risco que correra tinha sido compensado...

Olhando em volta todos os seus companheiros estavam enrolados numa orgia gay a três e ele tinha Analy agarrada ao seu instrumento eréctil. Analy saboreava o gelado com agilidade sexual, proporcionando afrontamentos de prazer, algo inédito até então com mulheres.

- Analy, Analy não tires a boca daí! - Grito Yagres, num vocal gravíssimo, após ter chegado ao espasmo orgâsmico.

Analy, não satisfeita com técnica bico-percursionista decidiu despir-se e demonstrar a técnica lábial em contra-tempo. Que cons…

Pensamento do dia (para quem pensava que o PN andava desaparecido)

Se eu soubesse o que sei hoje da minha vida, e o quanto iria ter de aturar de cabras e cabrões...qual químico, qual farmacêutico... eu teria virado era pastor!!!!...

Alexia e Tutu - ePILAgo

Alguns dias tinham já passado sobre o acidente que reduzira a cinzas e escombros um gigantesco edifício na margem sul, quando finalmente se reuniram condições de segurança para uma equipa de especialistas analisar as ocorrências a fundo. Isto depois de um almoço bem regado, claro está, que o Inspector Routo e o técnico da brigada de fogos postos - nome de código Small John- não deixavam os seus créditos por mãos alheias. Ou melhor, alheiras, com ovo estrelado, arroz e batata frita (não da congelada, mas das outras), numa tasca do Monte.
- Isto é que foi encher o bandulho, Small – disse o barbudo inspector, dando suaves palmadinhas na sua barriga inchada
- Foi sim senhora, inspector – retorquiu o baixinho africano, palitando agilmente os seus dentes brancos – E aquele vinhozinho? Hummmm!
- Muito bom, melhor só se viesse numa caneca das Caldas! Bom, mas vamos ao que interessa. – concentrou-se o inspector – Este cenário é miserável. Não houve sobreviventes, certo?
- Não, nem um. – confirmou …

Carta em cadeia

Olá, chamo-me Jacinto.
Peço desculpa por chatear todos vocês mas tenho mesmo de pedir ajuda. Eu sou primo do Luis que está no hospital gravemente ferido de uma electrocussão anal e preciso de recolher o máximo de assinaturas para forçar os médicos a reconstruirem-lhe uma vagina para eu o poder comer sem me chamarem gay.

Esta é a unica maneira de forçar os médicos, com o poder do povo. Acreditem que se assinarem esta petição farão do Luis uma pessoa mais feliz.

Por favor passa esta mensagem a 500 dos teus amigos em 5 segundos e assim todos os maleficios do mundo serão erradicados com a varinha mágica do bicho papão que ficará tão agradecido que vos virá chupar o nabão. Claro que se passarem esta mensagem a todos os vossos amigos por email melhor será para mim uma ves que ficarei com todos os vossos email para vender a empresas de publicidade porno, com velhas de mamas descaidas a visitarem-vos para esconder o salame no meio de todas as suas rugas.

Por favor, ajudem o Luis e façam do mundo …

Os cabrões

Por aí eles andam contentes
E nem sequer pagam taxa.
Esses cabrões dementes
Sempre sedentos por pachacha.

Vocês sabem bem quem são
Esses malévolos cabrões.
Que em vez do coração
Preferem despejar OS COLHÕES!!!!!!!!! (loud and clear)

Procuram ser o mais discretos,
Mas seu nome circula na praça.
Não têm desejos secretos:
Querem só partir conaça.

Ordinário, meus amigos???
Porventura me direis.
Mas só vos aviso dos perigos
Olhai bem... e vereis!!

O salteador dos tomates perdidos - Episódio I I - Busca da sexualidade perdida

Yagres ficou completamente deprimido com o desaparecimento dos seus badalos sexuais. Nem Foodin conseguiu compensar o desgosto do companheiro. O ambiente melancólico acabou por levar ao declínio da relação, poucos dias depois terminaram tudo.

Yagres isolou-se em casa uns bons meses, ouvindo horas de trash e speed metal até conseguir normalizar sua sexualidade enraivecida. O seu pensamento tornou-se obsessivo, “I want to fuck”, sentimento este que o fez sair à rua vestido de preto, com calça justa e botas de biqueira de aço. Yagres finalmente tinha regressado ao mundo social!

Uma noite, perdido num bar Metal, “The Cult Bar”, bebendo umas cervejas ao ritmo da tremoçeira dupla picante e dos shots riffados com absinto, sentia-se o verdadeiro macho metálico. A vontade de exteriorizar o seu extinto era tal que soltou a voz rasgando vocais agudos e latinos.

Ao seu lado, um senhor de túnica preta escutava-o com atenção…
Quando Yagres terminou o playback o homem colocou a mão no ombro fazendo-o vo…

O salteador dos tomates perdidos - Episódio I -

Mister Yagres, protagonista na nova top luxe da televisão venezuelana, “El ladrón de tomaters perdido”.

Episódio I – O furacão

Outubro começou frágil, aguado… com o vento soprando por entre as náldegas de Yagres, assobiando em suaves enrabadelas sostenidas…

- Me da vuelta su trasero… - Disse Foodin enquanto tirava areia do seu instrumento ciclónico.
- Es mucho viento! – Mister Yagres estava completamente atrapalhado pelo furacão que se aproximava.

Ao longe uma mancha carregada de cinzento aproximava-se trazendo chuva e ondulação marítima muito agressiva.

- Mi nabo está como el Vince! - Gritou excitado Foodin com uma pontaria tempestuosa.
- Houhh! Está como lo que!?- Gemeu de dor Yagres.
- El Huracán De Vince!

(12 horas depois)
O furacão aproximou-se de tal forma que toda praia estava em reboliço. Uma nuvem de areia e chuva componham a atmosfera. A ondulação arrastava-se praia adentro até ás dunas onde estava o casal.

- Mis tomates? – Gritou de dor Yagres.
- Tenían vuelo con el viento… - observo…

Amantes do RSS - Pó

Agora já podem por a porcaria dos Podcast na Penal, para quem não percebe, procurem na net por Podcast e Rss, pois não me está apetecer ensinar-vos.
Portanto todos pó ...
Asneiras.mp3

Pimba e Pau - o regresso da merdice

Pimba e Pau levantaram-se repentinamente. Realmente a peça de teatro, embora fosse publicitada como sendo a primeira peça badalhoca, era realmente uma boa merda - pensou Pimba a sair do teatro enquanto Pau enchia de liquido amarelo, saido de sua pichota, o cartaz de "Sonhos de uma noite de nabão".

-Mais valia termos limpo o rabo com a nhanha violeta do Sergay do que termos vindo aqui - disse Pau.
- Porra, também não exageres. Não tarda ai estás a dizer que mais valia uma das cricas sujas do Jorro do que o "sonhos de uma noite de nabão".
-Eh, o Jorro é mesmo o meu herói favorito, adoro quando ele lambuza aquela cricalhada toda. - disse Pau, relembrando-se do ultimo livro de banda desenhada porno que tinha lido.

"Flashback de um livro de banda desenhada do Jorro (mas sem as duas primeiras páginas que já estavam coladas e que além disso já foram referidas aqui neste site completamente gay)

-Não pode ser, é impossivel!!! - disse Jorro. A sua surpresa era dupla vendo o …

Sergay - O Prostituto de Luxo - Fim

"Foi tudo tão bom…"
Maria saiu sorridente de cima da vitima adormecida na exaustão.
Tinha conseguido dominar o prostituto de luxo, hino da sexualidade. Aquele que todos julgavam ser um precoce abichanado. Inês sabia muito acerca dele … tinha no seu genona a Macho-Alienigenosexualidade, Ganryubiguês, como muitos já ouviram falar.
Maria Inês calmamente caminhou para a porta de saída, deixando um rasto de gosma violeta.

(48 horas depois)

Sergay acordou todo nu, coberto por um líquido violeta. Tal visão fê-lo correr para a banheira, na esperança que porcaria saísse. Esfregou-se com todos os géis de banho que possuía, desde esperma de garanhão, a leite de bode em pimentão-doce, a caganitas de águia-real em ovos podres, mas nada retirava tal substância da pele.

Desiludido secou-se com uma toalha preta, onde tinha estampado a peida de uma gaja qualquer. Com toda aquela distracção quase que não dava conta de uma pequena alteração anatómica. Sua glande estava ao descoberto mas completament…

Esse lugar é meu!!

Era uma madrugada normal, num dia de trabalho normal, num comboio da CP da linha de Sintra que de tão normal, até me irrita e faz escrever uma asneirada muito muito feia e gratuita (ao contrário do preço dos passes): chissa! As pessoas entravam em todas as estações de um modo quase ordeiro, aparentando uma calma que era tudo menos isso mesmo. Na estação do Cacém a tragédia aconteceu.A Dona Idalina, furando por entre os magotes de passageiros, vislumbrou um lugar sentado perdido. “As minhas pernas carregadinhas de varizes e veias rebentadas têm de descansar!!” pensou a senhora de meia idade (se se considerar uma idade inteira como 120 anos para aí, claro) com os seus botões, que fechavam um vestido envolvendo os seus 170 kilogramas de pura banha, enquanto se dirigia para o descanso semi paradisíaco.Na extremidade oposta da carruagem entrava Mané Matimba, que embora habitante de um bairro degradado era um trabalhador dedicado, versado em telecomunicações de ponta: ponta da naifa para lá…

Sergay - O Prostituto de Luxo - II parte

Alguns minutos depois a campainha tocou pornograficamente – “Fode-me está fechadura enferrujada!” – Sergay levantou-se, endireitando o pau para o lado esquerdo das calças.
- Quem é?! – perguntou ele enquanto espreitava pelo óculo da porta.
- Maria Inês! – respondeu bruscamente a voz feminina do outro lado.

Sergay hesitou em abrir a porta pois a imagem que vira no óculo era estranhamente desnudada, pensando para si se já teria visão infravermelha, seria uma imaginação muito fértil oriunda das horas de videojogos (Tumba&Monta, Ages of Penetrations, Foda Kombat). Fez uma pausa enquanto ajeitava o colhão direito, que estava em desequilíbrio hormonal, e abriu a porta.

- … Sergay! – gritou Maria enquanto se agarrava fortemente à braguilha dele.
- …Simmm… - Soltando ele um suspiro de excitação.

Nunca tinha sentido tal sensação, em menos de um segundo já tinha o tronco erguido. Para seu espanto Inês despiu-lhe as calças e começou a trincar-lhe a pele dos testículos, aproveitando para arrancar-…

Sergay - Prostituto de Luxo

Longe estavam os tempos de Gésica, a mestre sexual de Sergay, cobaia nas suas aulas de Higiene Genital I e Espuma Desinfectante I. Aquela mulher proporcionou-lhe grandes momentos de prazer e conhecimentos científicos, ao ponto de, nesse dia ter decidido mudar o rumo de sua vida.

“-Sergay! Que vais fazer quando saíres daqui? – perguntou Gésica, com a tristeza expressa no canto da boca branco – Não voltas?!
- Vou tornar-me um grande empresário de sucesso! E conto com a tua ajuda! – respondeu Sergay prontamente, enquanto salpicava mais alguns vestígios de sémen na cara da sua parceira.
- HOummm… empresário?! Como assim?!
- Sim, empresário! Prostituto por conta própria! – disse ele soltando o último jorro de esperma para o olho de Gésisca - AHHHHHH!
- E contas com a minha ajuda para quê? – perguntou ela enquanto limpava o olho.
- Então, tendo em conta a tua satisfação com a minha campanha de marketing em tua casa, espero que venhas a ser uma das minhas clientes! – concluiu Sergay, limpando o na…

O exame

15 de Julho de 1772, 13H34, ParisUm vulto de capa e tricórnio negro avança rapidamente por entre a multidão que se acotovela próximo do Jardim das Tulherias. De uma carruagem sai um homem fardado de cabelo branco puxado atrás da nuca, que dá uma palmada no cavalo e avança calmamente. O vulto negro grita então:
- Monsieur Coulomb! Monsieur Coulomb!
O militar vira-se na direcção da voz, no preciso momento em que o vulto negro puxa de dentro do sobretudo uma peça estranha que começa a rugir rapidamente:
- Ahhhh!!! – grita a personagem de negro, enquanto o outro cai cravejado de balas, sangrando – A boa da G-3 ainda funciona!!! Ninguém te manda armares-te em esperto e inventares umas merdas de leis para me lixares a cabeça daqui a 2 séculos e meio!! E tens sorte, poupo-te à guilhotina de daqui a uns anitos!! – riu-se o assassino, continuando a disparar – O Faraday e o Franklin deram mais luta que tu, sua menina!!

16 de Julho de 2005, 17h45, LisboaUm professor de física da faculdade de ciênc…

Mangnalhum 5 Sente Ímetros – Alberga-os...

Os novos gelados da Chupajá são uma explosão de sabor e aroma. Abocanha já o teu, em 5 variedades diferentes:Tesão: duro e firme, um verdadeiro teste para as bocas mais violentas e insaciáveis. Um gelado que dura muito tempo... nalguns casos.Betadine: um sabor dolorosamente doce, quente e metálico. Um gelado que se come sempre como se fosse a primeira vez. Em algumas pessoas chega a provocar gritos incontidos.Doce deleitinho: para uns amargo, para outros doce, muda conforme a boca que o prova, mas sempre sem perder a cor branca e o bom sabor do leitinho;Rose Bottom: um sabor suave e rosado, sempre indecifrável. Alguns dos gelados vêm com algumas surpresas para os mais sortudos: pepitas de chocolate;Jorro dourado: o sabor ácido do limão, sempre quentinho e bem amarelo. Se sacudires bem o gelado verás que há sempre mais um pouco;
Passa um verão com a boca cheia... à grande, com a Chupajá

Sergay o desengordurador de cricas

A noite erótica de Sergay estava longe de terminar. Depois do sexo anal com Gésica, decidiu aventurar-se numa dupla penetração. Meteu um cinto com um Strapon e atracou de novo por trás, com o dedo mindinho do pé estimulou o clítoris da sua parceira.
Gésica nunca tinha conseguido chegar a uma incontrolável sessão seguida de orgasmos múltiplos, chamado de eco orgâsmico múltiplo.
O dedo de Sergay estimulava a desenvolvida película de carne erecta de sua amante até se virar para ela, desatracando imediatamente.

- Que é esta merda?! Tens a crica toda porca! Toda engordurada. Não a sabes lavar, sua porca?! – perguntou Sergay algo perturbado enquanto olhava de perto para o clitóris.
- … Estava a ser tão bom! Que foi agora? – respondeu ela ainda a tentar entrar na realidade.
- Ainda perguntas o que foi? Tens a entremeada clitoriana toda mal lavada… não a lavas há quanto tempo?
- Não tenho culpa que o meu cão me acorde lambendo a serapilheira. Mas descansa que está mais limpo que o teu nabo cheio d…

Violência na praia

Estava um sábado solarengo de primavera, o tipo de dia por que qualquer português anseia depois de meses e meses de um Inverno cinzento e exaustivo, para se deleitar com uma boa tarde de praia. Milhares de pessoas aproveitavam ao máximo essa pequena amostra do que muitos gostariam, mas apenas alguns teriam um par de meses mais tarde nas férias de verão. Mas algo se preparava para estragar essa tranquilidade.Ao início poucos, com o passar do tempo muitos mais, indivíduos de aparência estranha começaram a aglomerar-se de forma suspeita em locais estratégicos da praia. O seu aspecto bastante contrastante devia-se às suas roupas estranhas, envoltas numa escuridão sombria. Aos poucos começaram a atacar os incautos veraneantes.- Ai filho, que rabinho tão bom!! Papava-te todo!! – atacou uma personagem de bigode um surfista bronzeado- Com essa camisinha até te dava três ou quatro andares novos esta noite lindinho – lançou um tipo de cabelo ruivo em cuecas de cabedal fio dentalO caos alastrou …

Jorro, o herói de todas as pachachas

Era apenas mais um dia e Diego, o alter-ego do nosso herói, descansava enquanto o chefe Gina, capitão da guarda de Francesco Pichota, se deliciava a olhar para as coxas nuas de Diego. Diego engolia em seco enquanto apanhava mais uma estocada do Chefe Gina, tudo para que seu disfarce de Jorro, o empalador de crica não fosse descoberto.
- Sabes que te digo, este negócio de vender pintelheira das aldeãs para as meninas ricas da Europa fazerem as suas carpetes está mal. Acho que alguém ainda irá sair magoado. – disse o chefe Gina com um sotaque de um pais mais abaixo nas Américas.
- Talvez alguém possa parar o Francesco Pichota, talvez aquele galante Jorro venha salvar-nos e impedir que todas as passarinhas fiquem carecas.
- Não sabia que isso te interessava – disse Gina meio desconfiado – Talvez não sejas tão panilas como o Ganryubigu afinal.
- Ups – Pensou Diego – Talvez seja melhor chupar-lhe o nabo um pouco mais para ele não desconfiar.
E assim continuou a panascada mais um pouco até o ch…

A cana

Sentado à beira rio, esperando o sol de verão, Pirilau, sobrinho do senhor Batuma, estendia sua cana na esperança apanhar alguma coisa.
Ainda era aprendiz na arte da cana, todos os dias de madrugada lá iam eles todos contentes, sentavam-se à beira do rio ainda a lua ia a meio. Seu tio fazia-lhe festinhas na cabeça para dar-lhe algum apoio… A arte de erguer a cana era uma tarefa que só um mestre como Batuma podia ensinar.
- Pirilau, solta ai a tua cana com agilidade! Mostra o que és capaz de fazer com ela. – dizia ele muitas vezes em tom brincadeira.
- Mas eu não tenho força para segurá-la! – o pobre rapaz não aguentava tais aventuras, era muito jovem – segure o tio por mim!
- Ó puto, nem pareces meu sobrinho caralho. – disse Batuma demonstrando o apoio que sempre deu – até um maricas segura isso melhor que tu!
O miúdo baixou os olhos e num acto de fúria fez voar a cana para dentro de água.
- Que fizeste tu seu filho da puta, puto de um raio? – o velho em tom raiva solta um soco amigável na…

Sissi VII - The Winds Of Doom Blow Again

Lost in the middle of New York, Ganryubigu thought to himself he should stop tampering with the evil of this world. That was until the Sikh cabdriver recalled him from his hill-billy stupor:
" - Very well, sahib, we're right here, at Ground Zero!"
Ganryubigu stood outside the cab, impressed by the negative energies that were flowing around him.
" - There is... a lot of pain... in this place..."
" - Of course it is, it's Ground Zero!"
" - Ground... Zero?"
" - Yes! World Trade Center! Airplanes! Big Ka-boom! What silly world are you living in?"
" - I... I don't know, I..."

Again came the painful memories of his exile in another realm, a desert of dreams, in which each step took him further and further away from Sissi, the Agonizing Harlot.

" - Hey, sahib, the ride's seven dollars, I don't drive this thing for free you know?"
" - Here, good man." Ganryubigu gave him a tenner he snitched fr…

Sissi VI - Interlúdi(c)o

(a pedido de várias famílias, as desventuras da nossa heroína Sissi e do seu infeliz pretendente Ganryubigu veem aqui a sua continuação.)

(No episódio anterior -ver episódio anterior- o nosso herói Ganryubigu, depois de andar a vaguear um porradão de tempo no deserto das Ideias, decide recorrer à ancestral arte da Estimulação Digital da Próstata, de modo a atingir um orgasmo pandimensional que o permitisse escapar do limbo. A proeza resultou tão bem que Pingu... perdão, Ganryubigu se encontra, actualmente, em frente duma atónita Assembleia Geral da Onu, em preparos pouco recomendáveis pela etiqueta diplomática...)

A multidão de dirigentes mundiais fitava-o com um misto de incredulidade e indignação. Ganryubigu fizera a travessia entre planos de existência de uma maneira muito pouco convencional. Pelo menos tão pouco convencional como meter os dedos no cu até criar uma fenda no tecido espácio-temporal com a força da ejaculação... Tal era o poder de Ganryubigu! E era este um feito para …

Comunicado Oficial da Recreatividade Integracionista das Personagens e Artistas Nescia, Alarme e Brutalmente Abandonadas ao Oblívio

A Recreatividade Integracionista das Personagens e Artistas Nescia, Alarme e Brutalmente Abandonadas ao Oblívio (R.I.P.A.N.A.B.A.O.) e os seus associados (os poucos que ainda pagam as quotas) vem por este meio levantar um Abaixo-assinado contra a sociedade em geral, e o mundo em particular, devido à sua tentativa infâme de os tentar fazer cair no esquecimento neste blog. Os nossos associados têm todo o direito, e repito, TOOOOOOOOODO o direito de continuar a protagonizar toda a javardice e ordinarice que em dias há muito idos tiveram opurtunidade de fazer.



Com as mais cordiais saudações

Guarda Régio
(guarda fanático por colegiais e B.D.s, secretário geral da R.I.P.A.N.A.B.A.O. nas horas vagas)



Assinaturas:
Pimba
Pau
Sissi
Pasteleiro
Bébé Geriófilo
Maria Inês
Tesão, Duque das Florzinhas
Maximiano
Gaja galgada que caiu do tecto do laboratório

Gésica a curandeira - Final

O quarto decorado com imensas folhas e flores de plantas secas proporcionava um ambiente muito agradável e selvagem. A cama enorme onde cabiam perfeitamente quatro pessoas era dura. No entanto dentro daquele espaço o que mais atenção despertou aos jovens foi o chão, macio como borracha, muito confortável para dormir.

Os jovens sentaram-se no chão e começaram a conversar.

- Ó Jójo, que faço agora?! Ela é mesmo boa pá!! Qual é a técnica de penetração que Bertrand Russel utilizava?! – Perguntou Sergay bastante ansioso.

- Bertrand Russel? Não estas a falar do mesmo homem que eu estou a pensar?! – Responde Jójo bastante confuso com a pergunta – Vamos é esperar que ela volte a entrar. – Concluiu ele.
- Devia estar a confundir com Freud?! Já sei vou fazer um desenho... – Sergay saca de uma folha e um lápis que trazia no bolso de trás das calças e matou a ansiedade em marcas suaves. Em menos de um minuto uma BD completa estava concluída.
- Deixa ver o que fizeste seu “BDniaco”. - Jójo em tom de cu…

Comunicado Oficial do Sindicato das Personagens de Estórias Realmente Masturbatórias

O seguinte comunicado dos camaradas do Sindicato das Personagens de Estórias Realmente Masturbatórias (S.P.E.R.M.) tem como objectivo último pôr cobro à pouca vergonhice que tem sido regra neste bulógue! Não pode aparecer um post mais promissor e temos de ficar à espera que o autor, certamente atulhado em compromissos laborais inadiáveis, escreva a continuação quando bem lhe apetecer!
Assim, não!
Como personagens, fazemos do conto o nosso ganha-pão. Não podemos tar à espera que Vocelência dê ares de sua graça só quando se lembra de ir ao computador ver o mail e pensa "ah, ainda tenho um tempito... deixa-me cá escrever qualquer coisita!"

Não somos fantoches do patronato, exigimos o direito ao trabalho regular!

PS: A Gésica, pá! Onde é qu'anda a Gésica?! Tou cá com umas saudades...

Ass: S&J

Alexia e Tutu - Apocalipse Tau (parte IV) - Fim - Fin - Le Grand Finale - PUM

A loura estacou, semicerrando os olhos na direcção do seu antigo companheiro. A dúvida pareceu surgir na sua mente, imobilizando-a. Tranco, aproveitando o momento disparou vários raios da sua arma na direcção do peito de Alexia, que refulgiu ricochetando, acertando em cheio em S.P. Fronhé, que cacarejou de dor. Tutu atirou-o com violência para o chão, e limpou as lágrimas.
- Pai... não... – guinchou Alexia, correndo para junto de S.P. Fronhé, que apresentava um ferimento na cabeça – não me abandones...
- Nã nã nã, nada disso – gemeu o indiano – burro velho não aprende, nem morre assim... Dá-me aí o cachimbo!
- Ele não é teu pai Alexia!! – disse Victor Gina – É um criminoso... um monstro!
A loura pousou carinhosamente o moribundo, que parecia aliviar a sua dor puxando ávidos bafos do seu cachimbo, e levantou-se, com um olhar perigoso na direcção de Tranco
- Vais-me pagar!! – gritou, correndo na direcção da traidora de Fronhé. Contudo, a meio caminhou estacou quando um vulto lhe saltou para …

Gésica a curandeira

Gésica era a curandeira mais solicitada na vila de Nabos a Cima. Todos os dramas familiares eram resolvidos por esta sábia. Resolvia as discussões domésticas, os problemas com álcool, os problemas com as vizinhas do lado, o porco que morreu de gula, a galinha sem pescoço que assassinou o galo, enfim, hábitos normais naquela vila provinciana.

Não havia nada que ela não curasse, porém numa bela manhã de Inverno dois jovens encharcados bateram-lhe à porta. (TUC TUC)

- Quem é? Caralho! – Perguntou a curandeira enquanto se dirigia para porta – “Já não se pode fornicar com o cão em paz!?”- pensou ela.
- Olá… - respondeu uma voz baixinha e aguda do outro lado.
- Sr. Gésica, viemos aqui…- continuava o mais alto quando a porta se abriu abruptamente.
- Já sei... a história do costume… – Berrou ela, enquanto saia porta fora encostando seus seios no peito de um dos seus visitantes.
- Mais ou menos. Esta é uma história diferente… - Acalmou Jójo.
- … Eu e o Jójo temos uns problemas. – Continuou Sergay.
- …

Alexia e Tutu - Apocalipse Tau (parte III)

O fugitivo contemplou o que se lhe deparava com a confiança de um louco que ele de facto era.. Algumas dezenas de GNRs dominavam inúmeros criminosos por entre um também grande número de cadáveres, no que parecia ter sido um violento palco de batalha. A sua tonalidade habitualmente pálida enrubesceu ao situar a visão chispante no seu objectivo, que distava cerca de 300 metros de distância.
- O dia do juízo final chegou para vocês!! – berrou, correndo pelo pátio disparando jactos da sua arma de Bromo no Ponto Crítico (TM, ou então não), abatendo todos os que lhe ousaram fazer frente até o ar ficar carregado de uma tonalidade laranja do líquido corrosivo -Agora nós – disse, libertando-se das suas roupas esfarrapadas, por baixo das quais se encontrava totalmente nu, usando apenas três coletes com uns frascos estranhos e o pénis pintado com as cores da bandeira da Índia.


Alexia hesitou durante um segundo, rodando de seguida sobre si própria. Com uma rapidez impressionante saltou alguns metro…

Alexia e Tutu - Apocalipse Tau (parte II)

Os dois amigos dirigiam-se rapidamente para o exterior do edifício. O aviso tinha sido claro: GNRs tinham encontrado o esconderijo, e encontravam-se neste momento a atacar as imediações.
- Rápido Paulito, rápido – disse o mais alto – Temos de os impedir de chegar ao velho e à mulher!
- Calma Pintarola – respondeu o seu ofegante colega – A outra gaja chata que não para de aparecer na guarita tira-me o fôlego todo!! Mais vale 30 GNRs que ter de a aturar!!
- Quem te vai tirar o fôlego sou eu! – gritou um ser de olhos felinos, que passou pelos dois serviçais do Fronhé a correr, atingindo-os com um líquido escuro que começou a corroê-los instantânea e dolorosamente – É apenas Bromo no ponto crítico seus maricas! O vosso fim chegou, e em breve o dos outros! – berrou, saindo do edifício e deixando as duas massas de carne agora indistintas contorcendo-se no chão

O silêncio do gabinete era sepulcral. A traição de Tranco emudecera todos os presentes, especialmente S. P. Fronhé, que estava tão hirt…

EEhhhh! Momento Diznei!

Dos autores de "Timon e Bufa", uma comédia familiar, para ler no aconchego do lar...
"KONAI E FODA"

Na pequena floresta da Congolândia, paraíso de "nosso amigo", abundava uma alegre fauna antropomórfica, pela sua capacidade de andar erecta :) e falar a língua dos homens (que a das mulheres já era domínio do povo das gralhas). E era erecto que andava o pequeno Konai, um digníssimo exemplar ursídeo, enquanto pensava em Foda, a sua companheira de espécie. "Que saudades da Foda!", pensava Konai, enquanto acariciava o seu pêlo castanho. "Quando chegar à toca, vou-lhe pedir para me soprar no pipo" pensou alegremente. "E com um pouco de mel, então..."
Estava tão embrenhado nos seus pensamentos de urso que nem reparou na rede que se estendia sob os seus pés (perdão, patas!). E quando viu a armadilha montada, já era tarde demais!
"Ah, ah, ah!" bradou o caçador barbudo, com camisa às riscas. "Finalmente apanhei um! E que…

Sissi, Oh Si - Libertação

Ganryubigu olhou para as milhas de areia infinita, indistinguível e insondável que tinha pela frente.
Andava a custo, entorpecido pela fome, pela sede e pela fadiga. Cofiou a longa barba que já lhe dava pelos joelhos e pensou: "hum, pelo tamanho, já se passaram 5 anos desde que aqui estou..."
"5 anos? Foda-se!"
Pois é, caro leitor, eu também me descontrolaria verbalmente se me desse conta de estar preso num deserto imaginário sem fim, em busca duma saida que não existe...
Finalmente, Ganryubigu cedeu ao cansaço e ao desespero e deixou-se cair numa duna. "Ah, se eu tivesse uma Sagres Boémia (R)..."
Lambeu os beiços ressequidos, e tal lembrou-o de Sissi. "Sissi..." murmurou, sentindo uma onda de recordações subir do inconsciente como uma vaga gigantesca, prestes a varrer um areal cheio de turistas...
Levantou-se, hirto, e bradou:
"-NÃO! Não cederei à ilusão! Resistir é venceeer!!!" (mais ou menos assim, mas sem perdigotos, que o rapaz es…

Nalgatorius, o Erectus (IV) - FINAL

Enquanto a língua trabalhadora penetrava profundamente os grandes lábios ficavam mais avermelhados, a dilatação vaginal atingiu os 3 centímetros de raio, e os gemidos dela faziam vibrar as janelas. Erectus com aquela visão cavernosa sentiu que era o momento de passar ao próximo passo. Segurou no seu pénis e cuidadosamente colocou junto aos dois grandes lábios, agarrou as duas pernas de Afrodite, ergueu-as esticandos-as no ar, à altura de seu rosto. Massajou o clítoris da sua parceira como seu material, enquanto esticava a pele da sua glande para baixo, depois com cuidado inseriu-o dentro da vagina... e entrou TODO. Afrodite deu um berro de extrema satisfação enquanto ele a penetrava com mais intensidade e rapidez. Ela ficou possuída de prazer, fazendo vibrar todas as superfícies dentro e periféricas à sala. Ele porém mantinha-se sereno com um ar de satisfação angelical, silencioso. Depois de tanta penetração ele mudou de posição deitando-se de costas em cima da mesa, e colocando em ci…

Pimba e Pau - as aventuras dos gémeos ninfomaniacos (parte 2)

Rebaldaria na PorcolândiaChegados à cidade Pimba e Pau ficaram maravilhados por tudo o que viram. Por todo o lado se viam novidades que não existiam na aldeia: mulheres que cobravam aos homens por darem o rabo (coisa que na aldeia qualquer galinha servia), gajas com saias tão curtas que até se conseguia cheirar o peixe, homens que achavam má-educação coçar a tomatada na rua, tudo se via na grande cidade, alem disso o resto da cidade até era fixe, um pouco cheia. De qualquer das formas os gémeos não podiam viver de ar, e o cheque da Joana não dava para tudo, principalmente com metade do dinheiro já gasto a tratar das queimaduras de fricção que os gémeos tinham adquirido ao esfregar os nabos um no outro enquanto davam o exercicio à pachacha da Joana. Bem, era altura de tentarem procurar emprego.O primeiro emprego que nossos herois tentaram foi no Jardim Zoológico, emprego a que Pimba e Pau concorreram na esperança de ficarem encarregues dos cangurus, uma vez que aqueles animaizinhos aos…

Abre-me o arquivo

Mostrar mais