Vitânus :: Capitulo 1 :: Chegada ao Cais no Sonhé

Quinze horas e trinta e seis minutos. Um Volvo da série Vasco da Gama articulando alguns quilómetros de longas experimentações entre Ode às Velas e Cais no Sonhé transporta o seu mais sábio passageiro: Vitânus, mais conhecido pela sua passada de Pinguim Imperador e fixação por transportes colectivos, pintos variados e piadas secas. É um metaleiro humilde, no auge das suas vinte e três primaveras, oitenta quilogramas enchouriçadas em calças elásticas, caracóis pretos, fortes e volumosos, e um olhar expressivo - por vezes esbugalhado - cor de melaço.

Numa travagem brusca, junto ao Bar Amaricado, Vitânus é arremessado pelo corredor e após três cambalhotas atinge a cabine do motorista - e o dedo mindinho o antigo obliterador! Aparentemente uma rusga policial, três pegas e um taberneiro sem calças numa fuga sem cobertura dão resguardo às justificações hidráulicas do senhor da Magnum 44.  O acrobata lesionado, com uma tarifa de bordo extra, levanta-se e começa o seu canto imperial:

"A cona da mãe tem asas, a cona da mãe tem asas (...) mas não voa...
O caralho do pai tem ranho, caralho do pai tem ranho (...) mas não se assoa!
Arrebimba o malho na cabeça do caralho! Na cabeça..."

Lé on Hard,  sem nenhum voluntário para lhe agarrar a gaita, desloca-se sabiamente pelo corredor - intacto - com pausa de vedeta (e alguns cabelo à frente dos olhos), de mansinho, e por detrás, abraça mister Vitânus e os dois galgados saem do majestoso monumento circulante.

Comentários

Steïn disse…
Tenham medo, tenham muito medo
alphatocopherol disse…
Eu já estou.. com medo!

Eheh! Hum... não percebi o texto (pois, pois, diz que não) :p
R.B. NorTør disse…
Para alguns parece mais tenham All-in-butt...

Mensagens populares deste blogue

Super Homo - parte o 1º

Super Homo - Apre!