Alexia e Tutu - Duo TAUtâmico

Uma loira reluzente e bamboleante desce a avenida provocando os piropos de tudo o que é homem das obras e afins. “Grande rabo!”, “Grande par!!”, “Makukula matimba!”, “Skolensk tropnova!” são expressões que se habituou a ouvir enquanto esfrega candidamente os cantos da boca. Alexia de seu nome, é conhecida por vender prazer mais rapidamente que uma casa de câmbio troca dólares num país africano. Loiríssima, de estatura mediana, óculos de grossas hastes, roupa provocante e a boca mais rápida dos arredores, ainda tem tempo nas horas vagas para ser informadora especial da esquadra da Damaia. Ai aqueles cacetetes longos e negros!! É precisamente para lá que se dirige, depois de ter sido chamada via telemóvel modo vibratório.
Os sapatos altos vão trotando na calçada enquanto o edíficio da GNR se aproxima no horizonte. “O que quererá o chefe desta vez? Ainda ontem lhe mudei o óleo...” – pensa Alexia “E que fuga tem aquele motor! Ainda me dói a garganta...”. Sobe rapidamente as escadas de entrada da esquadra e dirige-se ao gichet, onde um GNR que faz o controle de entradas lê calmamente uma banda desenhada japonesa onde parecem abundar jovens colegiais saltitantes.
- Bom dia senhor guarda Régio – diz Alexia, com um sorriso maroto – Não o sabia tão interessado na cultura japonesa...
- Ehh... Muito bom dia menina – responde Régio baixando atrapalhado a revista – são apenas... alguns conselhos para tratar dos meus bonsai!
- Ai sim? Em Portugal os jardineiros não costumam usar saia... – riposta Alexia, rindo-se – Penso que o chefe me espera!
- Sim, sim, siga o pelo corredor! – atira Régio, observando a loira afastar-se – ainda um dia a irei possuir! – susurra, enquanto uma mão levanta a revista e a outra desliza avidamente para um ponto em particular das calças...
Ao longo do corredor Alexia vai sendo cumprimentada efusivamente pelos agentes que passam “Não me esquecem estes queridos. Também, tantas vezes que esfolei os joelhos por culpa deles...” – recorda nostálgica, chegando ao gabinete e batendo à porta.
- Entre! – berra o chefe Victor Gina do outro lado.
O Chefe da esquadra era um homem peculiar. De meia idade, pesado a todos os níveis, tinha sido emigrante muitos anos no Brasil, tendo regressado apenas há um par de anos a Portugal. Os seus gostos ainda vinham afectados por essa estadia na terra dos nossos irmãos, ou como ele gostava de dizer, irmãs: não dispensava uma boa feijoada e mulheres com um rabo enorme, de preferência ao mesmo tempo. E claro, se fossem brasileiras, melhor.
- Bom dia Chefe Gina – disse Alexia, entrando – Vim logo que pude.
- Sempre a mesma atrasada! Se anda com um vestido, basta subi-lo, render, descê-lo e andar, porquê a demora? – resmungou acidamente Victor – Mais depressa um boi monta a manada toda do que você chega aqui à esquadra!!
- Desculpe Chefe, mas não posso desperdiçar nenhum cliente... – penitenciou-se a loura, baixando os olhos – quer o serviço do costume? – suspirou, preparando uma vez mais a garganta.
- Não, não te baixes já! – exclamou Victor – Hoje não há reza para ninguém! Quero dar-te um trabalho, e apresentar-te o teu novo parceiro.
- Parceiro?? – balbuciou Alexia, perplexa – Eu trabalho sozinha, já lhe disse! Sou pau para toda a obra... ou obra para todo o pau, como queira!
- Calma rapariga, refiro-me a um trabalho policial – esclareceu o GNR – e ele vai ser uma ajuda preciosa na tua missão. Tutu, podes entrar!
E eis que da casa de banho pessoal do gabinete surgiu o novo companheiro de Alexia: um rapaz alto, na casa dos vinte, meio calvo e aparentando pouca expansividade. A loira observou-a de alto a baixo “Hum... atraente... para alguma me servirá” – pensou maliciosamente, observando o baixo ventre oculto do rapaz.
- Alexia, este é o Tutu. Vai ajudar-te na obtenção de informação sobre um perigoso traficante – explicou o Chefe Victor Gina – O seu nome é S. P. Frônhé e domina todo o mercado deste lado do rio Tejo. É esta a vossa missão.
- Bem, parece que vamos ter de trabalhar juntos não é? – disse Alexia, dirigindo-se ao rapaz
- Ããããã... – gaguejou Tutu – Ãããã... sim.
- Hum... tímido. Tenho de te tirar essa timidez. Vamos ali ao WC e tratamos disso – disse Alexia, enquanto levava pela mão o rapagão... – Espere só um pouco Chefe. Vamos ver se o Tutu não é antes um TuTAU...

(Continua)

Comentários

Chas. disse…
Bem está lindo. espero pela continuação
R.B. NorTør disse…
Hum sua doida...
Sera que o Tutu sempre desabrocha com a Alexia (Ou será que a Alexia Abrocha o Tutu?)
Aguardamos ansiosamente o proximo episodio!!!!
alphatocopherol disse…
Isto é um ultraje pornográfico!!!!
apre!! :P

Aguardo continuação mas... com juizinho...

ohhhhhh tiiiiiaaaaaaaaaa!
Annie disse…
hum.. mt depravado!

Alexiiiiaaaaaaaaaaaa!
Captain Dildough disse…
sHARKY E gEORGE...
The crime busters of the sea...
sHARKY E gEORGE...
Podes vir ripar já aqui!

Mensagens populares deste blogue

Super Homo - parte o 1º

Super Homo - Apre!

Acordar precoce e naturalmente...